Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Seguro de vida não é uma herança

Seguro de vida não é uma herança

seguro_vida_02-9-2011

Seguro de vida não é uma herança

Em cada fase da vida, as pessoas enfrentam dificuldades diferentes. Ao passar da juventude para a fase adulta, sobretudo quando se deixa a casa dos pais para se aventurar em uma vida a dois, como cuidar do bolso? Você sabe quais são os principais erros, em termos de finanças pessoais, que as famílias recém-formadas cometem?

Em primeiro lugar, os grandes erros decorrem da falta de experiências, pois agora esses jovens começam a lidar com contas e gastos que antes não precisavam se preocupar. Contas de água, luz, telefone, condomínio, IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e aluguel requerem um bom planejamento financeiro, para que as receitas se equilibrem com as despesas.

Planejamento financeiro

Esse é justamente o ponto que provoca os problemas. Como não estavam acostumadas a lidar com essas contas, as famílias recém-formadas não fazem um orçamento e não se certificam de que tudo que entra será capaz de arcar com tudo que sai. E essas contas novas normalmente não são tão pequenas.

De acordo com o professor de finanças do Ibmec/RJ, Nelson de Sousa, esse planejamento financeiro é muito importante para as famílias jovens, pois evita que elas entrem em dívidas, como empréstimos e cheque especial. “Se elas começam a entrar em dívidas, vão acabar trabalhando boa parte do ano para pagar os encargos financeiros”, explica o professor.

Mas, mesmo que se proponham a sentar e elaborar um plano financeiro, a falta de prática e experiência em estimar os custos que terão no final do mês normalmente leva a problemas financeiros. A dica dos especialistas é começar o quanto antes uma poupança ou ainda deixar uma margem de manobra no orçamento para lidar com as despesas que não foram estimadas.

Saindo de casa
É cada vez mais comum nos dias atuais que as pessoas tenham seguros de vida. Com a estabilidade econômica vivida pelo Brasil nos últimos anos, o número de pessoas que aderiu a esse tipo de seguro aumentou consideravelmente.

Outro fator que influencia o crescimento deste tipo de seguro é o envelhecimento da população brasileira. As pessoas estão vivendo mais e, por isso, tendem a tomar providências que garantam conforto financeiro a seus entes queridos mesmo após a morte.

Justamente por se referir a um pagamento que é feito depois da morte do segurado é que muitas pessoas confundem o seguro de vida com herança. Entretanto, herança e seguro de vida são coisas completamente diferentes.

A herança é o direito dos herdeiros de ficar com o patrimônio que pertencia ao parente que morreu. Todos os bens e direitos da pessoa morta são transferidos aos herdeiros, que são seus filhos, a esposa ou companheira, seus pais e, na falta destes, os irmãos, sobrinhos, tios e primos. Se uma pessoa recebe herança de alguém, ela normalmente recebe os bens e as dívidas daquela pessoa.

Já o seguro de vida é um contrato feito entre uma pessoa (segurado) e uma companhia seguradora. Ali, o segurado se compromete a pagar valores periódicos (chamados de prêmio) e em troca a seguradora garante o pagamento de uma indenização a pessoas indicadas por ele na proposta de seguro. Essa indenização só é paga em caso de morte do segurado e quem é indicado para receber esse valor é chamado de beneficiário.

O direito de receber uma indenização decorrente de seguro de vida não faz parte dos bens que compõem a herança do segurado, por expressa disposição do Código Civil brasileiro (artigo 794).

Dessa forma, o seguro de vida pode ser deixado para outras pessoas que não os filhos, a esposa ou a companheira do segurado. Basta preencher a proposta de seguro indicando uma pessoa como beneficiária e ela passa a ter direito à indenização a ser paga pela seguradora, seja herdeira ou não.

Além disso, mesmo se os beneficiários do seguro de vida forem os próprios herdeiros do segurado, eles não precisarão incluir o dinheiro recebido da seguradora no inventário. Com isso, não haverá possibilidade de as dívidas deixadas pelo segurado impedirem o recebimento da indenização do seguro. E também não será preciso pagar o imposto sobre heranças (ITCMD), que no Estado de São Paulo equivale a 4% dos bens deixados.

No que interessa, então, a diferença entre herança e seguro de vida permite aos herdeiros economizar tributos e os isenta de ter de usar o valor recebido para pagar dívidas deixadas pelo segurado. E mais, permite ao segurado deixar um valor em dinheiro para alguém que não seja seu herdeiro. A lei garante esses direitos aos herdeiros e aos segurados, é importante que eles saibam disso.

(Fonte: Paulo Dóron Rehder de Araujo)

Últimas notícias

Quer aprender a cuidar do seu dinheiro de forma simples e leve?

A Abrapp-Associação Brasileira de Entidades Fechadas de Previdência Complementar acaba de lançar site exclusivo sobre...

Conheça os Candidatos aos Conselhos das Fundações Sanepar

Já estão disponíveis no site das Fundações as informações dos candidatos aos conselhos. Além de...