ACESSO RÁPIDO

Como Reorganizar a vida financeira em 90 dias

Início / Node / Como Reorganizar a vida financeira em 90 dias

Como Reorganizar a vida financeira em 90 dias

Reorganizar a vida financeira em 90 dias. Essa é a proposta da cartilha virtual "Gestão de Finanças Pessoais", organizada pela Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados e Servidores da Sabesp (Cecres), cujo método foi certificado pelo Instituto de Finanças (Ifin) da Fundação Getúlio Vargas (FGV Eaesp). A cartilha está disponível gratuitamente para qualquer interessado no site da Cecres (link: http://zip.net/bhrJtL).

Segundo o professor Samy Dana, da FGV Eaesp, responsável pela avaliação e certificação do material, o objetivo do livreto é ajudar todas as pessoas que têm dificuldades de organizar sua vida financeira.

"Nos casos mais simples, 90 dias são suficientes para que a pessoa faça um diagnóstico de sua vida financeira e estabeleça seu plano de ação", diz. "Nos casos mais graves, ela vai funcionar como a dieta e o exercício físico funcionam para o obeso: ele não vai emagrecer tudo em 90 dias, mas começará a ter os resultados."

O autor da cartilha, Fábio Barbalho, educador financeiro e coordenador de marketing da Cecres, afirma que as pessoas buscam fórmulas mágicas para melhorar as finanças, mas se esquecem de que muitas vezes levaram anos para se endividar.

"O primeiro passo é fazer o diagnóstico da situação. Depois, com disciplina, passar a agir para atingir os resultados."

90 dias para mudar

Segundo a cartilha, o primeiro passo para estar no controle das finanças é conhecer a situação atual dos rendimentos e gastos. A partir daí será possível, nesses três meses, entender a atual situação das finanças, planejar a rotina e passar a pensar no longo prazo.

Dias 1 a 30: Anote todos os gastos
O primeiro passo será anotar todas as despesas e receitas. No site da Cecres é possível baixar uma planilha eletrônica que pode ajudar nesse controle (http://zip.net/btrlwx). Mas também dá para fazer esse controle usando um caderno, planilhas no computador, aplicativos para celular, enfim, o que for mais confortável.

No primeiro mês, o objetivo do método é fazer com que a pessoa aprenda a mudar de rotina e efetivamente passe a anotar todos os gastos. Mesmo os gastos aparentemente insignificantes devem ser anotados, tais como cafezinhos e estacionamento.

Se tomar um café na padaria por dia a R$ 4, o valor gasto em um ano chega a R$ 1.460. Ao cortar esse gasto pela metade (R$ 730), poderá redirecionar o recurso para outros objetivos, tais como começar uma poupança.

Dias 31 a 60: Classifique os gastos
Sabendo como foi o balanço das contas do último mês, chegou a hora de classificar os gastos. É importante definir o que é supérfluo, o que é essencial e o que será investimento. Cada tipo de gasto deve ser classificado dessa forma.

Assim, a pessoa terá um maior controle sobre os impulsos e saberá quanto está investindo e também o que fazer com os gastos supérfluos. "O supérfluo não é mau, ele também é necessário para se ter prazer na vida. Mas é aí que o indivíduo terá de avaliar para cortar os gastos e passar a poupar ao menos 10% da renda", diz Barbalho.

Dias 61 a 90: Planeje o futuro
Estabeleça metas de curto, médio e longo prazos. As metas de curto prazo devem ser aquelas que irão acontecer entre seis meses e um ano. Exemplos: trocar a TV, planejar a viagem de férias ou redecorar a casa.

As metas de médio prazo são aquelas que serão realizadas entre um a cinco anos; trocar de carro, por exemplo.

E as metas de longo prazo são aquelas que serão realizadas num prazo superior a cinco anos, tais como comprar a casa própria ou a aposentadoria
Por que ter metas de curto, médio e longo prazo?

Fábio Barbalho afirma que a ideia é ter um fluxo de consumo contínuo. "Ter apenas metas de curto prazo não permite a realização de nada grande. E ter somente metas de muito longo prazo faz com que as conquistas fiquem tão longe que, no meio do caminho, a pessoa acaba desistindo. Poupar não é tornar-se mesquinho, mas realizar sonhos."
Como poupar?

Se tiver um salário líquido de R$ 2.000 e estabelecer R$ 50 para as metas de curto prazo, R$ 100 para as de médio e R$ 200 para as de longo, terá de adequar o padrão de vida a R$ 1.650.

Se não é possível cortar mais gastos, é preciso incrementar a renda com alguma atividade extra.
Por que poupar?

Observe como é importante poupar para realizar o sonho. Barbalho diz, na cartilha, que pagar um carro à vista sai cerca de 40% mais barato do que financiar. Veja só. Se comprar um carro de R$ 40 mil, financiado por 60 meses, a uma taxa de 1,8% ao mês, com parcelas mensais de R$ 1.095,68, o total pago no financiamento será de R$ 65.740.

Isso sem contar que, se tiver o dinheiro para pagar à vista, a pessoa ainda poderá pechinchar um bom desconto, pagando ainda mais barato.

Dicas

  • Reserve um tempo para sua educação financeira
  • Esteja no controle das suas finanças
  • Comprar a débito evita gastos por impulso
  • Não deixe a busca por status afetar a sua vida financeira
  • Pense a longo prazo, a mudança de hábito será difícil no começo
  • O melhor instrumento de controle é o que funciona para você. Tanto faz ser uma planilha, um aplicativo ou um caderno
  • Fique atento aos pequenos aumentos nos custos e pense em termos de porcentagem. Se algo custava R$ 1 e agora custa R$ 1,25, seu preço subiu 25%.
  • Defina bem o valor a ser investido, pra não desistir no meio do caminho
  • Nos primeiros anos, procure investimentos conservadores. Conforme o volume aumentar, diversifique.

 

COMPARTILHE: