ACESSO RÁPIDO

Como se organizar para pagar os estudos dos filhos?

Início / Blog / Como se organizar para pagar os estudos dos filhos?

Como se organizar para pagar os estudos dos filhos?

Mesmo sendo uma das maiores preocupações dos pais, muitos destes só começam a se organizar efetivamente no final do ano, quando se já tem uma noção melhor do reajuste das mensalidades das escolas. Isso, apesar de não estar exatamente errado, é uma forma arriscada de lidar com a organização financeira, já que ela haverá pouco tempo para ser posta em prática.

Sendo assim, qual seria a melhor a forma de se organizar financeiramente é o que pretendo responder no artigo de hoje. Confira as dicas:

Faça um planejamento

Planejar é a base do sucesso para quase todas as coisas de nossa vida, e o estudo dos nossos filhos não é diferente.

E é importante notar que esse planejamento pode ser feito até mesmo antes do seu filho, de fato, nascer. É interessante que isso aconteça pelo motivo simples de que, no Brasil, para que os nossos filhos tenham acesso a uma educação de qualidade, é necessário que paguemos por esse ensino.

Então, caso esteja planejamento o estudo de um filho que ainda não venho ou que esteja em seu estágio inicial de vida, considere como ponto de partida as instituições de ensino do seu interesse e os preços atuais das mensalidades que elas cobram.

Em seguida, calcule o tempo que a criança permanecerá estudando — desde a pré-escola até a formatura na faculdade.

É simples: se o seu filho entrar na escolinha aos três anos, por exemplo, e se você projetar que, em condições normais, ele deve obter a graduação acadêmica por volta dos 20 anos, isso significa que você deverá se preparar para 17 anos de despesa com escola.

Considere ainda um adicional para cobrir gastos com materiais escolares, lanches e deslocamentos, e você terá um grande número sobre o qual pode se basear.

Essa preparação deve ser proporcional à quantidade de filhos que você tiver. Dessa forma, você terá os valores com base nos custos atuais, que definirão o quanto você precisará obter ao longo dos anos para fazer frente ao custeio da escola dos filhos.

Prepare o orçamento

Depois de ter feito o passo inicial do planejamento, é hora de entender como construir o orçamento.

A ideia é que, nesse ponto, o valor que você precise guardar tenha ficado claro, pois o número que obtivemos no planejamento dará as bases do orçamento. Agora, o ponto em questão é: onde guardar esse dinheiro?

E a resposta está nos investimentos. Apesar de muitas vezes parecer que os investimentos são apenas para um grupo seleto de pessoas, essa impressão não confere com a realidade.

Qualquer pai ou mãe conseguem investir hoje apenas com R$30 reais, e por isso esta se torna uma alternativa interessante, ainda mais para quem vai ter que guardar dinheiro por um bom tempo. O problema, então, se torna apenas o “onde investir”.

Escolha investimentos de baixo risco

Em épocas passadas, a Caderneta de Poupança era vista como uma forma de acumular dinheiro para pagar o estudo dos filhos. De fato, como ela corrige a inflação e oferece uma pequena remuneração na forma de juros, esse aspecto ainda pode ser considerado.

Porém, existem outras aplicações mais interessantes que a poupança, que podem dar uma folga maior no orçamento, até dos investidores iniciantes e que estão começando só agora no mundo dos investimentos.

Nesse caso, lembre-se de que o dinheiro da escola das crianças não deve ser colocado sob risco elevado, afinal, é um dinheiro do qual o seu filho dependerá.

Portanto, opte por investimentos que sejam assegurados pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), como CDBs e LCIs. Além disso, o Tesouro Direto pode ser considerado também, em vista que é hoje o investimento mais seguro no mercado de capitais.

Contudo, é importante ressaltar que o dinheiro aplicado em uma mesma instituição só é garantido para aplicações de, no máximo, R$250 mil, caso este esteja assegurado pelo FGC.. Certamente, esse valor não será suficiente para custear os estudos dos seus filhos por 20 anos. Com isso, é preciso distribuir as aplicações por várias instituições, a fim de assegurar as garantias.

Então, você não precisa escolher entre CDB e Tesouro Direto, por exemplo. Diversificar entre estes tipos de investimento e até mais do que eles pode ser uma grande solução para reduzir o risco da sua carteira e garantir que você terá a totalidade dos recursos investidos em sua mão.

Seja disciplinado

A Caderneta de Poupança, o CDB e os títulos do Tesouro Nacional são ótimas ideias para quem quer criar um plano de economia para pagar os estudos dos filhos. Porém, é preciso lembrar que esses títulos têm alta liquidez, o que significa que eles podem ser resgatados com grande facilidade. Isso com exceção apenas do CDB, já que este depende da data de carência. Há CDBs, por exemplo, que prendem o seu dinheiro por 3 anos.

De qualquer forma, a alta liquidez  não é uma característica muito boa para o poupador menos disciplinado, que pode se ver tentado a utilizar o dinheiro da poupança dos estudos dos filhos para outras finalidades — como a da troca do apartamento, do carro ou para viagens —, pensando em depois fazer a reposição.

Se você corre o risco de ceder a essas tentações, tenha atenção especial para a disciplina como poupador. Se perceber que essa condição não será conquistada facilmente, pense em colocar esse dinheiro em um investimento que tenha uma liquidez menor. Só tenha ciência que, para isso, é importante também que você tenha um investimento como fundo de emergência, pois, se algo acontecer, ainda assim é importante que você tenha dinheiro do qual consiga resgatar facilmente.

Corte as despesas supérfluas

Existem gastos que são indispensáveis, como os com a alimentação, por exemplo. Outros são necessários, mas que podem ser reduzidos. Como os das saídas aos finais de semana e das viagens em férias.

Ainda, há aqueles completamente supérfluos, que podem ser cortados, sem nenhum prejuízo para a qualidade de vida da sua família. Descubra o que de fato não tem nenhum valor e corte essas despesas.

Isso, em si, tem um efeito nas suas finanças pessoais como um tudo, e vai te ajudar a investir mais. Com esse maior investimento, chegamos mais rapidamente ao objetivo e podemos, com o tempo, investir com outros objetivos em mente.

(Fonte: Economia IG)

Comente,

até breve...muito breve /*--*/

Comentar

Filtered HTML

  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd>
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.
COMPARTILHE: 

Últimas do blog